segunda-feira, 17 de maio de 2010

Ronnie James Dio descanse em Paz!

O Heavy Metal e o Rock em geral estão de luto, pois às 7:45 da manhã de ontem, domingo, 16 de maio de 2010 a lenda do Metal Ronnie James Dio faleceu devido a complicações de um câncer no estômago.
Dio ficou conhecido por sua performance vigorosa no palco, por sua voz poderosa e por ser  extremamente carismático, participou de grupos como (DIO, HEAVEN & HELL, BLACK SABBATH, RAINBOW) tendo influenciado várias bandas e sendo referência para vários artistas.
Eu pessoalmente conheci seu trabalho no Black Sabbath primeiramente, mas gostei tanto do disco Heaven & Hell que posteriormente procurei conhecer seu trabalho com o Rainbow e na banda Dio e desde então este "pequeno" "grande" vocalista se tornou um dos meus artistas preferidos do meio Metal, então posso dizer que a tristeza toma conta de mim neste momento por sua morte, mas que sua obra não será esquecida e continuará fascinando a muitos que descobrem o amor pela música. 
Abaixo vou colocar a carta aberta escrita pelo baterista do Metallica Lars Ulrich prestando uma última homenagem a Dio.

O baterista do Metallica, Lars Ulrich, escreveu a seguinte carta aberta ao lendário cantor de heavy metal Ronnie James Dio:

Caro Ronnie,

Acabei de sair do palco em Zagreb. Acabei de saber da notícia que você faleceu. Eu estou em estado de choque, mas eu queria que você soubesse que você foi uma das principais razões de eu estar nesse negócio, para começar.
Quando eu o vi pela primeira vez com o Elf, abrindo para o Deep Purple em 1975, eu estava completamente encantado pelo poder de sua voz, sua presença no palco, sua confiança, e a facilidade com que você parecia se conectar com 6.000 pessoas dinamarquêsas e um sonhador de 11 anos de idade, a maioria dos quais não estavam familiarizados com a música do Elf. No ano seguinte eu fiquei tão empolgado quando ouvi as notícias de que uniria forças com o meu guitarrista favorito. Vocês soaram tão bem juntos e eu instantaneamente me tornei o fã nº 1 do Rainbow na Dinamarca.
No outono de 1976, quando você fez seu primeiro show em Copenhagen, eu estava literalmente na fila da frente e as duas vezes que fizemos contato com os olhos você me fez sentir como a pessoa mais importante do mundo. A notícia de que vocês ficariam hospedados na cidade no seu dia de folga embutiu em mim de alguma forma, no meu cérebro, e eu fiz a peregrinação ao Hotel Plaza para ver se eu poderia de algum modo pegar uma foto, um autógrafo, um momento, qualquer coisa. Poucas horas depois você saiu e foi muito gentil e atencioso... fotos, autógrafos e alguns minutos de brincadeira casual. Eu estava no topo do mundo, inspirado e pronto para qualquer coisa. O Rainbow veio a Copenhagen mais algumas vezes ao longo dos próximos anos e cada vez que vocês estiveram aqui, a banda fundiu minha mente, e por uns bons três anos, foram a minha banda favorita absoluta no planeta.
Ao longo dos anos tive a sorte suficiente de me encontrar com você uma meia dúzia de vezes ou menos e cada vez você estava tão amável, atencioso e gentil como você estava em 1976, fora do hotel.
Quando finalmente tivemos a chance de tocar juntos na Áustria em 2007, eu estava literalmente voltando a ser aquele moleque seboso que você conheceu e inspirou 31 anos atrás e foi uma baita honra e um sonho partilhar um palco com você e com o resto das lendas do HEAVEN & HELL.
Um par de semanas atrás, quando eu soube que você não ia ser capaz de se apresentar conosco no Sonisphere, em junho deste ano, eu quis te ligar e deixá-lo saber que eu estava pensando em você e desejando-lhe o bem, mas eu meio que me acovardei, pensando que a última coisa que você precisava em sua recuperação era se sentir obrigado a atender um telefonema de um baterista dinamarquês/fanboy. Eu hoje gostaria de ter feito essa ligação.
Vamos sentir sua falta imensamente nestas datas, e estaremos pensando em você com grande admiração e carinho durante esse prazo. Pareceme bom tê-lo em turnê com o chamado 'Big Four' pois, obviamente, você foi uma das principais razões de as quatro bandas terem existido.
Suas orelhas se queimarão durante essas duas semanas, porque todos nós vamos estar falando, relembrando e contando histórias sobre como ter te conhecido fez a nossa vida muito melhor.
Ronnie, sua voz me impactou e deu poderes, a sua música inspirou e influenciou-me, e sua bondade me tocou e me comoveu. Obrigado.

Muito amor.



(DIO - Heaven and Hell)
(DIO - Rainbow In The Dark)

terça-feira, 6 de abril de 2010

BBB10 - Dourado e o Milhão

E acabou graças a Deus o BBB10, considerado o BBB da diversidade devido a presença de três homossexuais assumidos e alguns enrustidos, mas contrariando as previsões para surpresa ou não dos telespectadores desta pérola da TV Tupiniquim o vencedor foi o homofóbico Dourado, mas para quem tinha dúvidas sobre o que o troglodita lutador iria fazer com o milhão o Dr. Pepper esclarece.


segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Show do Metallica em São Paulo dia 31/01/10


E lá vamos nós, ou melhor lá vou eu de novo, para mais uma aventura, após ficar muito decepcionado por não conseguir ingresso para o show do Metallica realizado no sábado dia 30, tive a feliz surpresa de ver que o Metallica iria fazer um show extra no dia 31, após conseguir comprar o ingresso para pista sem muitas dificuldades, fui em busca de alguma excursão partindo aqui de Gyn, através do blog http://www.undermetalzine.com.br consegui o contato do Adriano que estava organizando uma excursão, foi a salvação, tudo pronto, na data e horário marcados partimos para São Paulo.
Eu não conhecia ninguém mas isso nunca foi problema, sempre vai uma galera muito entrosada e acabei fazendo boas amizades, inclusive encontrei uns chapinhas que tinham ido na excursão do Iron Maiden de Janeiro, o ar condicionado do ônibus estava congelante e a noite eu me arrependi de não ter levado agasalho, mas fora isso a viagem foi tranquila, chegamos a tarde com bastante antecedência, então deu pra ir ao shopping comer alguma coisa e tomar um choppinho de leve, umas três torres foram o suficiente para melhorar meu inglês (sarcasmo on) mas também lá no estádio do Morumbi a cerva tava R$6.00 puta merda melhor ficar sóbrio kkk.

Bom vamos falar do show que foi um pouco atrapalhado pela chuva chata que insistia em cair, no horário marcado sobe ao palco o Sepultura para mostrar que os brasileiros também sabem fazer metal, o show dos caras foi excelente, achei que o som estava baixo, boicote comum a banda de abertura, mas fora isso foi um brutal  a apresentação dos caras que contou com grandes clássicos como "Troops of Doom", "Inner Self" "Territory" e "Roots Blood Roots", os músicos estão entrosadas e que me desculpem as viúvas dos irmãos Cavalera mas o Sepultura está mandando muito bem.

Alguns minutos se passam e o público fica aflito esperando pelo Metallica. O céu aberto exibe diversos raios entre as nuvens, gerando furor no público ao ser uma referência ao segundo disco da banda, Ride The Lightning.

As luzes se apagam e começa "The Ecstasy of Gold" trilha do filme "The good the bad and the ugly" instrumental oficial no início dos shows do Metallica. A chuva foi parando enquanto o público já a esquecia, a abertura ficou por conta do clássico "Creeping Death", do álbum Ride The Lightning. O que começou bom, enlouqueceu os fãs quando, na sequência, a faixa-título começou: "Ride The Lightning", raramente tocada nos shows levou ao delírio boa parte dos headbangers presentes.

Na sequência, uma música que poucos esperavam: "Fuel", do álbum Load, que foi praticamente esquecido nos outros shows da turnê. Direto do disco apelidado de Black Álbum, a continuação se deu com "Sad But True" seguida por "The Unforgiven", inédita nesta turnê, a balada contagiou até os mais extremistas e foi cantada em uníssono.

Mostrando que seu último álbum, Death Magnetic, soa como o Metallica que os fãs tanto cobravam, tocaram "That Was Just Your Life" seguida por "The End Of The Line" as músicas novas ficaram bem ao vivo e isso mostra que James e cia. estão bem entrosados e curtindo essa nova fase da banda.
Outro clássico do álbum Master of Puppets que a banda não havia tocado nos outros shows no Brasil foi "Welcome Home (Sanitarium)" escuta-la ao vivo foi uma experiência única. Depois, ao contrário do dia anterior, "The Day That Never Comes" saiu do setlist dando lugar a "Cyanide". A última música do Death Magnetic foi "My Apocalypse", também muito bem recebida.

Difícil dizer qual foi o ápice do show, mas certamente um dos momentos mais interessantes acontece quando as luzes se apagam e a pirotecnia come solta na introdução de "One", o maior hit do álbum "...And Justice For All" já na continuação, outro clássico maravilhoso executado foi a faixa-título do álbum Master of Puppets, na minha opinião e de muitos outros fãs um clássico total do heavy metal.
Agora, para os fãs do segundo álbum da banda, eu me incluo nesta lista, o privilégio deste terceiro show no Brasil foi escutar a porrada "Fight Fire With Fire". Aquilo foi incrível! Mas todos se acalmaram depois, com "Nothing Else Matters", a balada mais linda de todos os tempos, amo esta música desde a letra aos arranjos.

Fechando o setlist principal, "Enter Sandman", que parecia um hino no estádio. Emocionante ver milhares de pessoas cantando junto com mister James Hetfield.

No bis, como esperado, a primeira faixa foi um cover. Para o domingo, a banda escolheu "Helpless", do Diamond Head. Na sequência, "Hit The Lights", do álbum Kill'em All e, após fingir que iriam embora, voltaram para tocar "Seek And Destroy", já com as luzes acesas, terminado o show meu sentimento era de alegria e satisfação afinal pela primeira vez eu vi um show da minha banda preferida ao vivo, só espero que como prometeu o baterista Lars Ulrich eles não demorem 11 anos para voltar ao Brasil onde eles tem uma legião de fãs. 
Na saída, somente os sorrisos de satisfação nos rostos de jovens de diversas gerações. Pais com filhos, amigos adolescentes, amigos adultos e de meia-idade. A música que preocupava os pais nos anos 80, hoje os une a seus filhos. É o poder do música, essa é a verdadeira atitude rock and roll!!!

A impressão que fica e que após trocar de produtor e realmente buscar sua sonoridade mais antiga, o Metallica conseguiu de fato conceber um excelente álbum (Death Magnetic). Somando a inovadora presença do baixista Robert Trujillo, a banda sofreu um processo de redescobrimento, de ideias novas mas com a mesma inspiração de quando começaram, dá para ver o entrosamento dos four horsemen, agora, talvez possamos afirmar que o Metallica amadureceu e encontrou sua identidade, hail Metallica!!!

SETLIST

Intro - Ecstasy of Gold

1. Creeping Death
2. Ride The Lightning
3. Fuel
4. Sad But True
5. The Unforgiven
6. That Was Just Your Life
7. The End Of The Line
8. Welcome Home (Sanitarium)
9. Cyanide
10. My Apocalypse
11. One
12. Master of Puppets
13. Fight Fire With Fire
14. Nothing Else Matters
15. Enter Sandman

Bis

16. Helpless
17. Hit The Lights
18. Seek And Destroy



(Master of Puppets)


(Nothing Else Matters)


(James bangueando ao som de Refuse-Resist do Sepultura)


(Encerramento do show Seek and Destroy)

sábado, 30 de janeiro de 2010

Metallica em SP aí vou eu!!!


Está  chegando o grande dia, desde 1999 o Metallica não dava as caras em terras brazucas, mas felizmente os caras vieram divulgar a turnê do álbum Death Magnetic lançado em 2008 e eu que não sou bobo já garanti meu ingresso pro dia 31/01, hoje as 09:00hs sai um ônibus de excursão partindo aqui de Goiânia direto para o estádio Morumbi onde será o show, a expectativa é grande pois confesso que sou fã dos caras desde quando ainda era um moleque com a cara cheia de espinhas e comprei um LP (é vinil companheiro rs) de um tal Ride The Lightning eu nem tinha idéia do que era aquele álbum ou a influência que ele teria no meu gosto musical mas se eu gosto de Heavy Metal/Thrash ou como queiram rotular tanto faz, tudo começou com este petardo que tinha músicas cativantes que prenderam minha atenção imediatamente, como fiquei muito interessado corri para adquirir os outros discos, encontrei então os memoráveis Kill 'Em All e a obra prima do Metallica o memorável Master of Puppets, foi paixão a primeira audição e desde então tenho acompanhando a história desta grande banda que passou pelo céu e o inferno como diz o vocalista e grande compositor James Hetfield, problemas com drogas, álcool, brigas internas, napster, show businnes, conflitos pessoais quase derrubaram o Metallica mas após alguns experimentalismos e álbuns decepcionantes, não pela mudança de visual pois isso é banal mas não havia ali a essência do Metallica (Load, Re-Load e St. Anger) me fizeram deixar um pouco de lado a banda, mas este resgate as raízes é muito bem vindo o Death Magnetic tem grandes canções literalmente e é recheado de riffs matadores Kirk Hammet esta solando muito e abusando com maestria do wah-wah e Lars Ulrich voltou a tocar uma bateria de verdade não um jogo de panelas (sárcasmo on) e o baixista Robert Trujillo tem qualidade técnica e carisma inegáveis, bom companheiros o Metallica esta de volta e eu quero presenciar os quatro cavaleiros neste mega show, tenho certeza que será inesquecível.

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

FELIZ 2010!!!

Gostaria de primeiramente pedir desculpas aos parentes milhares de leitores deste blog pela falta de atualizações, mas é que com a correria de fim de ano quase não está me sobrando tempo para as postagens de praxe, mas desculpas esfarrapadas a parte, eu queria é desejar a todos um ótimo ano novo repleto de todo blá blá blá de sempre, ou seja mais humanidade a esta raça, que saibamos conviver com as diferenças e nos preocupemos em deixar filhos melhores para este mundo e não só um mundo melhor para nossos filhos, bom é isso aí e que venha "2010".


sábado, 28 de novembro de 2009

"O que passa na cabeça do Homem e da Mulher quando vão sair"

É + ou - assim, né não?



Crônica do Amor

Este texto do Jabor me fez lembrar de uma parte do filme Patch Adams em que ele diz que amava tanto sua mulher que sentia falta até dos defeitos dela, acho que essa é uma boa definição para este sentimento tão nobre: inexplicável.

Crônica do Amor

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo a porta.
O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.
Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.
Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.
Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.
Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.
Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?
Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.
Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.
Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama este cara?
Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.
É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.
Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?
Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.
Não funciona assim.
Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.
Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!
Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.


Arnaldo Jabor

Related Posts with Thumbnails